Sabia que as aulas de pilates podem minimizar a incontinência urinária?

A incontinência urinária não costuma aparecer nos jovens, e de acordo com as estatísticas atinge mais mulheres do que homens. Mas a verdade é que independentemente de quem possa atingir é uma ocorrência que afeta negativamente a sua vida.

Podemos definir a incontinência urinária como a perda involuntária de urina. Apesar dos dados estatísticos acima mencionados, é um problema que pode acontecer a homens e mulheres de todas as faixas etárias.

Contudo, o que não sabe é que o pilates pode ser grande aliado para minimizar os sintomas desagradáveis deste tipo de problema.

No artigo a seguir iremos explicar como isso é possível.

Incontinência urinária: Benefícios do pilates para quem sofre desta patologia

O sintoma inicial que geralmente caracteriza a incontinência urinária é a perda de urina involuntária.

Essa ocorrência pode tornar-se frequente e mais intensa, sendo incontrolável segurar a urina até chegar à casa de banho.

Porém, cada indivíduo incontinente apresenta a perda de urina de um modo diferente. De acordo com o tipo de incontinência esta pode ser classificada de 3 maneiras:

  • Incontinência de esforço – Acontece quando a perda de urina ocorre após o esforço, geralmente ligada ao aumento de pressão intra-abdominal, como tosse, espirro, gargalhada e exercício físico
  • Incontinência de urgência – Quando a perda de urina surge no forte desejo de urinar ou um pouco antes
  • Incontinência mista – Pode ter esforço e urgência associados

O ato de urinar e de prender a urina pode parecer simples. Mas para ocorrer não depende apenas do bom funcionamento do trato urinário.

Isto porque é preciso também que os músculos do assoalho pélvico, a parede abdominal e o diafragma estejam bem.

Quando o indivíduo apresenta algum distúrbio no sistema urinário, estruturas do assoalho pélvico, parede abdominal ou diafragma, podem não conseguir voluntariamente iniciar ou cessar a micção.

É exatamente isso que ocorre em pessoas com incontinência urinária, cujos sintomas geram muito stress e desconforto.

Isto pode levar o indivíduo a diminuir as atividades de lazer e até mesmo a isolar-se do convívio social. Isso ocorre normalmente por vergonha ou medo de urinar em público.

Como a atuação do pilates pode ajudar nesta patologia?

Deve-se estar a perguntar como é que o pilates é capaz de minimizar os sintomas da incontinência urinária, certo?

A grande vantagem das aulas de pilates está no fato de trabalharem as musculaturas mais profundas. Vai desde a coluna, região abdominal, diafragma ao assoalho pélvico.

As aulas proporcionam a ativação constante destas musculaturas, o que leva à tonificação do períneo, que é a base de sustentação da bexiga.

Com músculos mais fortes o aluno apresenta um maior controlo da urina e diminui as hipóteses de vir a sofrer desta patologia.

Além de mais fortalecida, a região pélvica torna-a mais flexível, o que é muito importante na manutenção da postura.

Isso porque quando os músculos estão fracos e pouco flexíveis levam o indivíduo a adquirir uma postura inadequada. E isso acaba por ocasionar instabilidade e dor lombar.

E o melhor de tudo é que as aulas de pilates podem ser feitas por pessoas de qualquer idade. Os exercícios são adaptados a cada tipo de pessoa, idade e limitação.

Portanto, mesmo idosos, os mais acometidos pela incontinência urinária, podem também beneficiar deste método para reduzir os sintomas.

É importante destacar que quem sofre de incontinência não está a lidar somente com um problema médico. Muitas vezes acaba por envolver outros fatores que afetam negativamente a vida, a nível emocional, psicológico e social.

Por este motivo é muito importante procurar ajuda quando sofre desta patologia, com o objetivo de ter mais qualidade de vida. E o pilates é um exercício que torna isso possível. Frisamos apenas que deve ter sempre o auxílio de um profissional.